quinta-feira, 10 de outubro de 2013

Reacionarismo e machismo tosco: uma conexão óbvia


     Após percorrer as seções brasileiras das redes sociais da Internet, apontei em outras postagens a ligação estreita entre os movimentos que sob o pretexto da celebração das origens europeias abrem espaço para as pregações de membros francamente racistas, e a direita política de tipo mais conservador.  Para minha satisfação, notei também que a atitude dos muitos cidadãos dispostos a denunciá-los costuma resultar na eliminação destas excrescências virtuais pelos administradores das redes, ainda que uma ou outra dê a impressão de possuir certo nível de "blindagem".  
       Percebemos correlação semelhante ao "visitar" as páginas que sob as desculpas da crítica aos supostos excessos do feminismo e do combate a um vago "marxismo cultural" (categoria que pode abranger qualquer coisa que destoe do conservadorismo mais tacanho), terminam por postular o retorno das mulheres ao velho programa "esquente a barriga no fogão para em seguida esfriar no tanque".  Estas comunidades talvez  não sejam mais numerosas do que as racistas, mas sem dúvida concentram muito mais seguidores, o que não é difícil de explicar: se chamar alguém de "crioulo" em contexto depreciativo constitui crime, reivindicar a submissão da mulher (e eventualmente o repúdio pessoal aos gays) é tido pela sociedade apenas como uma perspectiva imbecil, irracional, porém enquadrada nos limites da liberdade de opinião.
       O certo é que, em medida pelo menos igual à dos supremacistas raciais, os machistas pré-históricos se alinham com a direita reacionária de uma forma que podemos qualificar como caricatural.  Parecem todos saídos do mesmo forno e da mesma fornada: cultuam atores norte-americanos belicistas e /ou filiados ao Partido Republicano,  xingam de "putas", "cachorras" e "periguetes" todas as mulheres que não se adequam aos modelos definidos pela moral sexual pequeno-burguesa, apreciam ditadores militares e policiais exterminadores e tentam rotular os que identificam como inimigos da causa com os apelidos de "manginas", "machos betas", "feministas sapatas" e outras pérolas.  
        Extraí com finalidade ilustrativa prints de seis destas comunidades, todas hospedadas no Facebook.  As mensagens são tão diretas que dispensam apresentação.             
                      



       Ao contrário do que fiz em relação às páginas racistas, não sugerirei que se promovam denúncias de qualquer tipo.  Também não direi, é claro, que esta visão de mundo caracteriza todos os políticos e intelectuais direitistas.  Mas caracteriza, em grande proporção, os seus currais eleitorais, aqueles que inúmeras vezes são denominados "povo conservador" ou "maioria silenciosa" (que dificilmente será maioria e, nos últimos tempos, tem abandonado o silêncio com frequência notável).  
       Domenico Losurdo se refere em várias de suas obras à "tripla discriminação" (de classe, gênero e raça) que marca o status quo nas sociedades capitalistas.  Verificamos, com fartura de exemplos, que a "opinião de direita", sobretudo entre os grupos de baixa sofisticação intelectual, consiste basicamente na naturalização dos lugares comuns discriminatórios.  O que proponho em face deles, desta vez, é condescendência zero no ano eleitoral que se aproxima.  Mais do que nunca, não deixem de votar, para todos os cargos e em particular para o Poder Legislativo, em candidatos comprometidos simultaneamente com os direitos dos trabalhadores e com a defesa das "minorias".  Uma mesa de três pernas, tendo cortada apenas uma, não se mantém de pé.  Serremos sempre mais um pouco, então, onde ela mostrar mais vulnerabilidade.                














59 comentários:

  1. Continuaremos metendo a real, você gostando ou não. Abs esquerdiota.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continuarão passando recibo de baixa atividade mental, coisa que você revela até no trocadilho infantil.

      Excluir
    2. Manginas sendo Manginas...

      Excluir
    3. Os mascus "guerreiros de um real" não mereciam esse teu esforço, Gustavo. São um poço de irrelevância juvenil (apesar de, na carteira de identidade, serem "adultos") e puramente ignorante.

      Excluir
    4. Nossa Gustavo, baixa atividade mental? Desculpe-me cara, o foco da REAL, é sempre desenvolver pessoas do grupo, tanto que nosso site, é praticamente sobre desenvolvimento masculino. Honramos nossas bolas, temos uma visão política, discutimos sobre o Comunismo, a teoria burra de Marx o apoio idiota de vocês "homens" Afeminados ao feminismo.... Literalmente temos uma opinião formada sobre todos os assuntos e aspectos da sociedade moderna. E você acha que temos insanidade mental? Desculpe-me, mas escrever no corpo ou em um cartaz, Apoio o "Che". Viva o comunismo, amo o meu corpo e mostro-o, Viva o poder do POVO, isto é ser inteligente?? Meu caro, prefiro ser burro ter uma família burra e amigos burros... do que andar com "pessoas" inteligente como você! Um abraços confrade.

      Excluir
    5. "Manginas sendo Manginas..."

      Limítrofes tentando agrupar letras...

      Excluir
    6. Janaína, adversários que votam e fazem campanha não devem ser subestimados por completo. Ainda mais se, em grupo, acharem que podem mais do que isto.

      Excluir
    7. Sobre o "foco da real":

      Cara, você tenta aparecer aqui, NO ANONIMATO, com esse discurso de machão para consumo externo e EU sou o afeminado? Combinemos então assim, Sr. Rock Hudson de Facebook.
      Agora falando sério, fico sem entender qual é o "desenvolvimento" citado, quando o que prevalece na página é uma mistura de anticomunismo primitivo, macarthista, do tipo que visualiza comunistas nos mais tímidos trabalhistas e às vezes até em liberais que rejeitam os autoritarismos de direita, com a "denúncia" de uma opressão feminina que só existe em delírios de gente que vive em frente ao computador em regime de quatro turnos.
      As suas opiniões formadas são as de que a mulher ideal é uma rainha do lar que fala baixinho e o bom governante é um Pinochet ajudado por Bolsonaros num simulacro de Congresso. Não sei se chega a ser "insanidade mental", mas se construirmos as devidas relações de custo-benefício, para a grande maioria da população seria burrice, de fato, acatar o projeto. "Um abraços" para você também, com as distâncias regulamentares de praxe, já que a preocupação gira em torno de ser ou não afeminado.

      Uma curiosidade inevitável: como nada no seu discurso sugere que estou diante de um aristocrata ou de um alto burguês, por que o uso aparentemente depreciativo da expressão "poder do povo"?

      Excluir
    8. vcs deveriam mudar o nome da page pra metendo com a propria mão, a virgindade de vc impressiona

      Excluir
    9. "Literalmente temos uma opinião formada sobre todos os assuntos e aspectos da sociedade moderna."

      um cara que se diz tão inteligente não sabe nem usar o termo "literalmente" kkkk

      Excluir
  2. Percebi que sua postagem se resume em combater o anti-feminismo. Veja aqui o porque de existirem anti-feministas.
    http://manhood101br.blogspot.com.br/2013/06/citacoes.html
    Vendo esses comentários de feministas talvez você entenda o porque de existir uma resistência.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bobagens vêm de todas as direções. Já li a entrevista de uma feminista que dizia que 95% das relações sexuais eram na verdade estupros. Mas a partir disto você defender o retorno (obviamente impossível) de relações sociais e familiares das mais opressivas, vigentes antes dos anos 60 é no mínimo o fim da picada.

      Excluir
    2. Você diz antes dos anos 60. Nunca vi uma velhinha triste ou minguada em relação à seu cônjuge, pelo contrário, as bem sucedidas eram felizes, tinham muitos filhos e honravam e respeitavam seus maridos. Mas daí em diante o feminismo ganhou força e criou a ideia de maxismo opressor selecionando atitudes de criminosos e homens desonrados da época e os generalizando para todo o lado masculino. A mulher só teve ascensão no mercado de trabalho século passado por causa dos avanços tecnológicos que possibilitaram isso, não pelo feminismo. Acontece que as feministas que escreveram oque te amostrei tentam passar para as pessoas de hoje é que aquela época era um inferno para as mulheres, quando na verdade toda a masculinidade era direcionada para a cordialidade e em manter a mulher fora de perigo. É observado isso em filmes de temática antiga em que o cavalheiro(tido como homem ideal) trata a dama com delicadeza e elogia sua feminilidade, ainda evitando que esta realize tarefas ou trabalhos massantes ditas por sua vez como trabalho para homem. Mas as feministas conseguiram oque queriam, o fim da Era do Cavalheirismo.

      Excluir
    3. Pode dizer que sou pedante, se quiser, mas por favor nunca mais escreva machismo com "x", nem maçante com "ss". Depõe contra a sua firma. Antes de repetir chavões em décima ou vigésima mão, também seria ótimo investigar um pouco sobre as (verdadeiras) batalhas parlamentares que resultaram na ampliação dos direitos das mulheres.
      O problema de querer ver o mundo através de filmes temáticos é que eles nunca espelham a realidade, e sim as idealizações dos cineastas. A tal mulher da "Era do Cavalheirismo", fosse feliz, entediada ou irritada (quase toda generalização é burra), de saída, não era uma beldade hollywoodiana com cinturinha 60, mas geralmente uma matrona obesa e na maioria dos casos ignorante (lógico que você pode pinçar exceções). Além disto, o programa ficava limitado às minorias abastadas capazes de sustentar o estilo de vida dessa "rainha do lar". Do meio para baixo, não havia como escapar do pesado, das "tarefas maçantes". Os contrapontos da dama burguesa delicada eram a cozinheira e a arrumadeira que a serviam.
      O saudosismo não se justifica. Tente encontrar uma mulher que seja, razoavelmente escolarizada e em condições de se colocar no mercado de trabalho, que queira voltar ao velho esquema de "proteção" em troca de perder seus direitos políticos e a possibilidade de gerir patrimônio sem a interferência masculina, ficando ainda limitada a cuidar de "casa, marido e filhos". Pergunte por aí, também, quantos homens gostariam do papel de provedores exclusivos, tendo os salários médios que conhecemos.

      Excluir
    4. Criticar ortografia não é argumento e achismo também não. Reescrevo oque eu disse que nunca encontrei uma senhora de idade que foi bem sucedida em sua vida honrando marido e família reclamar da vida. Te recomendo esse livro aqui.
      https://fbcdn-sphotos-f-a.akamaihd.net/hphotos-ak-prn2/1385085_521638441262863_1119310232_n.jpg
      Servir de escudo para feministas criminosas não vai lhe servir de nada. A sociedade conquistou direitos para as mulheres, não as feministas. Ninguém precisa de um movimento para ser representado. Qualquer um pode lutar por seus direitos.

      Excluir
    5. Destaco a sua falta de coerência ao chamar de "achismo" fatos óbvios como a insustentabilidade da extensão do modelo que você idealiza para além do universo aristocrático-burguês e ao mesmo tomar o que viu e/ou deixou de ver como parâmetro de realidade. Afirmar aleatoriamente que feministas são criminosas fica abaixo do ridículo. Seria o mesmo que uma feminista entrar na "sua" página e dizer que todos lá são nazistas espancadores de mulher. Para encerrar, a filosofia individualista de botequim demonstra quem na verdade carece de muita leitura.

      Excluir
    6. Caro Gustavo: Poderíamos acrescentar também que bastaria folhear o corpus da dramaturgia do muito reacionário Nelson Rodrigues para perceber quanta "felicidade" este modelo de família conservadora podia gerar...

      Abs. Carlos

      Excluir
    7. Como alguns deles gostam tanto de ficção, o velho Anjo até seria um bom contraponto às idealizações hollywoodianas! Contra a rainha do lar feliz, o marido obcecado com infidelidade que explode o próprio cérebro!

      Excluir
    8. Diz que ninguém precisa de um movimento para ser representado, a exceção então fica apenas para essa gang esquisita de mascus.

      Excluir
  3. O esquerdismo boçalizante do MEC e da Carta Capital é tão anacrônica e sem sentido que atualmente sofre de transtorno paranóide e mania de perseguição. Toda página de garotinhos idiotas expressando suas ideias imbecis sobre gênero, política e cultura (ou a falta dela) é vista pelos esquerdos como uma "ameaça" perpetrada pelas "forças" da direita reacionária e malvadona para minar a revolução proletária e favorecer os burgueses sanguinários exploradores. A esquerda se inclui no mesmo barco das minorias discriminadas, tentando se fazer de vítima e se esquece que está no poder, com maioria nas urnas, na Câmara, no Senado, na mídia, na propaganda, nas empresas públicas, nos cargos públicos estratégicos, infiltrada na imprensa, nas ONGs, nas Universidades, ou seja, está mandando em todos os lugares e não há mais o grande e temível "inimigo" a quem "acusar dos próprios erros", este um grande lema da propaganda comunista. Relaxem, vocês estão no poder. Vocês são o grande "inimigo" da vez. A direita tem que suar muito a camisa para recuperar espaço. E por favor, parem de confundir posições políticas com regimes políticos, uma coisa não tem nada a ver com a outra. Direita não é sinônimo de conservadorismo e esquerda nunca foi (nem será) sinônimo de liberdade. Abram a velha cartilha: di-rei-ta: menos Estado. es-quer-da: mais Estado. li-ber-da-de: o Estado não dá pitaco na sua vida. Exemplo: Estados Unidos. di-ta-du-ra: o Estado interfere o tempo todo na sua vida. Exemplo: China e Coreia do Norte. Simples assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico até comovido quando alguém inicia uma fala na qual quer posar de esclarecido com uma concordância tão erudita quanto "O esquerdismo ... é anacrônica". Percebo que cada vez mais o verdadeiro alvo da paranoia é uma entidade idealizada conhecida como MEC, que passa a ser responsável por todas as produções culturais reprovadas por instituições do tipo Mídia sem Máscara (para não falar de figuras como a celebridade de Facebook Daniel Mezzo Cérebro).
      Passo por cima da sua deselegância em se valer do anonimato para poder chamar correligionários de idiotas, mas o que conta é que muitos deles já deixaram de ser garotinhos há muito. A circunstância de terem chegado aos 30 ou 40 sem adquirir sofisticação intelectual, repetindo chavões toscos por toda parte, não altera sua condição de eleitores nem impede que exerçam influência sobre outros eleitores. Em nenhum momento eu disse que constituíam uma "ameaça". Isto foi pura licença interpretativa da sua parte. Aliás, se eles são tão imbecis assim, tão insignificantes, por que deixar um comentário tão longo e irritadiço abaixo da minha crítica (que pela lógica primária deveria ser mais insignificante ainda) a tais páginas?
      [continua]

      Excluir
    2. A sua premissa de que a esquerda controla os poderes da República e os meios de comunicação é uma afronta à mera aritmética. Mesmo que consideremos esquerdistas todos os integrantes de partidos que algum dia foram formalmente de esquerda (incluindo PV, PPS), eles serão nítida minoria tanto na Câmara quanto no Senado, e talvez no próprio ministério Dilma. Dizer que a mídia é de esquerda quando as Organizações Globo são a maior força tanto no jornalismo impresso quanto no televisivo e a ultrarreacionária Veja é a principal referência de revista política dá direito a participação especial em programa humorístico de ponta.
      Por fim, abra outra velha cartilha: direita- reafirmação das diferenças de classe- conformismo social- proteção aos impérios coloniais e aos neocolonialismos- negação prática da autodeterminação dos povos;
      direita: Alemanha nazista- Itália fascista- ditaduras do Cone Sul- quarteladas anticomunistas no mundo inteiro- apartheid sul africano
      direita: Franco- Salazar- Pinochet- Stroessner- Videla- Balaguer- Fulgencio Batista- Reza Pahlevi- Mobutu Sese Seko
      esquerda- afirmação da igualdade de classe, gênero e etnia- movimentos anticoloniais- ampliação de direitos sociais e trabalhistas- anticonformismo

      Excluir
  4. Nesse post você só pegou trechos a esmo desses sites e sem nenhuma relação, com o propósito de chamar quem é de direita de racista, porque o racismo já foi refutado, e você não conhece ao fundo esses movimentos para poder dizer isso, não são contra a igualdade, e sim a picaretagem de movimentos que nada mais querem do que ferir o Art. 5° da nossa constituição e conseguir direitos às custas de terceiros sob o pretexto da igualdade. É muito fácil refutar a direita e o conservadorismo criando um espantalho. Agora tente refutar Luiz Felipe Pondé, Roberto Campos ou quem sabe Mises. Lógico que meu post não será aprovado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rapaz, quanta confusão! Afinal, que texto você está "comentando"? Supondo que se refira à matéria sobre as comunidades racistas, a tal "refutação", por parte "deles", consistiu em apagar as falas nazistófilas mais evidentes para evitar que a página fosse retirada do ar. O discurso deles é claramente supremacista: enaltecem as guerras de conquista, apresentam o Estado brasileiro como construção de europeus e se apresentam como os herdeiros deste domínio. Acreditando na balela do "não somos racistas, somente orgulhosos", você acabará acreditando também no ladrão que diz que nunca pegou coisas alheias. Criminoso confesso é elemento dos mais difíceis de encontrar.
      A acusação de criar espantalhos não procede, na medida em que reproduzi com exatidão o que foi dito de fato. A "edição" se limitou às setas e sublinhados. De útil, anoto suas sugestões de escrever sobre o fã de Mussolini (Mises) e o filósofo do lugar comum (Pondé). Quando houver tempo, juro que farei.

      Excluir
    2. Juro que tentei no post anterior ao teu, mas parei no racismo refutado.....rsrsrs "os negros autoescravixaram-se a si mesmo" redundante para um efeito mais forte.
      p.s: seus textos e respostas são maravilhosos.

      Excluir
  5. Cara, seu texto é muito bom e nos faz pensar o quão existe gente que se incomoda com a vida dos outros e adora um autoritarismo muito bem justificado, como dissestes entre a direita esclarecida os comentários são bem mais elaborados porém a ideia é a mesma um desrespeito, uma insanidade e um egoísmo sepulcral. Entre os não intelectuais esse tipo de pensamento torna-se algo comum. Penso, como um ser humano poder ser tão reducionista e medíocre assim? Acho que gente desse tipo usa apenas 1% do cérebro, só pode! E o pior são baixos e muitos deles não dialogam, mas sim esbravejam. Eu não sei de onde tiram "marxismo cultural' eu só vejo o contrário, um conservadorismo militarista cultural em maior ou menor grau. A sorte é que ainda achamos pessoas pensantes, são esperanças no meio do caminho turvo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ainda vou dedicar uma postagem só a esta questão do "marxismo cultural". Esteja em casa, Sarah!

      Excluir
  6. Bom mesmo é a União Soviética, né, stalinistazinho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei da lógica: eu escrevo um texto contra variados tipos de opressão e você me chama de stalinista. Já pensou em dar um curso avançado de Filosofia?

      Excluir
    2. kkkkkkk esse povo é muito louco mesmo, que que tem a ver Stalin com isso?

      Excluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  8. A noção de que feminismo é de esquerda, e anti-feminismo de direita, para mim não faz sentido. O feminismo surgiu na história da humanidade independente da dicotomia Direita X Esquerda, e foi um produto da revolução industrial, que conferiu à mulher um papel de trabalhador e provedor, e da expansão do conceito de cidadania, o qual é defendido tanto por esquerdistas quanto por direitistas. Na ex-União Soviética, o feminismo era nominalmente endossado pelas autoridades, mas o machismo era generalizado (na verdade, herdado do tempo dos czares). Na Alemanha nazista, o feminismo era nominalmente condenado, mas na prática as mulheres ocuparam muitos espaços antes exclusivos dos homens, até como necessidade do esforço de guerra.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não insinuei em nenhum momento que o feminismo é intrinsecamente de esquerda. Seria até ridículo, quando a poucos metros da minha mesa de trabalho estão centenas de documentos de Bertha Lutz, o maior expoente do dito "feminismo de elite" no Brasil. O que ficou demonstrado, e eu até gostaria muito de apreciar uma eventual tentativa da sua parte de provar o contrário, é que os grupos que se articulam na Internet contra uma suposta opressão do feminismo juntam no discurso um supremacismo de gênero grosseiro com o anticomunismo primário.

      Excluir
  9. Muito bom, melhor ainda as repostas acabando com esses idiotas filósofos de boteco que mal sabem escrever.

    ResponderExcluir
  10. Excelente texto, Gustavo. Parabéns pelo blog também, você realiza um trabalho impecável aqui, gostei de outras postagens que li a pouco também. Vou recomendar pros meus amigos.

    Bem... a fundamentação teórica e o embasamento dos argumentos nos comentários de crítica só reforçam o quanto sua análise é apurada. Não há nem motivos de respondê-los todos, embora a vontade seja grande, haha!

    Abraços.
    Roger Costa, http://www.regenciacoletiva.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, amigo. Olhei rapidamente a sua página e vi que é de fato uma construção coletiva. Quando tiver tempo e não estiver com sono lerei algumas matérias. Gostei de saber que aos 21 anos já está graduado. Boa sorte e esteja sempre em casa.

      Excluir
  11. Caro Sr. Gustavo Moreira, acabei de conhecer seu blog, até aqui o que li me pareceu muito sensato e bem embasado. Imagino a dose de paciência consumida pelo Sr. para aguentar os ataques de direitistas desvairados, fãs de Olavo de Carvalho, Pondé e Cia. Sobre estes , sou eu ou eles parecem ter uma saudade do sec XVIII , é um tal de falar mal da Revolução Francesa, tecer loas a submissão das mulheres, atacar os avanços sociais de negros, homossexuias, mulheres, trabalhadores. Será que este povo não percebe que viveríamos em um mundo muito pior sem esses avanços ? O que causa isto, revolta contra a realidade ? SXaudades de um paraíso perdido que nunca existiu ? Frustrações pessoais ?

    ResponderExcluir
  12. A verdade é que muitos deles vão além e localizam o paraíso perdido na Idade Média. Defendem abertamente várias formas de opressão e ainda procuram criar legitimidade de fundo religioso para tanta estupidez. Obrigado pela visita e esteja em casa.

    ResponderExcluir
  13. Tu é burro Gustavo Moreira.
    Tu puxa o saco da esquerda. Com certeza teus professores eram Marxistas para te doutrinar no lado mais inútil da Politica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Serei menos pretensioso e não tentarei adivinhar as tendências ideológicas dos seus professores. Mas o que fica claro é que eles desistiram de você, especialmente os de Português. Poucas vezes respondo a um analfabeto funcional tão convicto, talvez até orgulhoso disto, o que aliás é bastante coerente com o tipo de movimento que tenta defender.

      Excluir
  14. Vocês estão desesperados pois a maioria dos Brasileiros apoiam as ideias da direita e se consideram conservadores...Continuem se escandalizando com a fotinho do seu herói Che cravado de balas merecidamente kkkkkkkkkkkkkkk

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Um comentário destes só mostra o quanto fui feliz ao colocar o adjetivo "tosco" no título. O "comentarista" é do tipo que, se fizer alguma besteira que leve ao tribunal, seu advogado de defesa certamente investirá na tese da inimputabilidade.

      Excluir
  15. Os esquerdistas são engraçados. Vejamos, quanto de protestos supérfluo eles ainda são adeptos. A politica da inversão de valores.
    Exemplo: Movimenta Feminista é uma das mais tosca, ao defender o aborto, argumentando que é a respeito de saúde pública. E a igualdade da mulher? Vejo que elas querem simplesmente mais privilégios e igualdades semelhantes ao dos homens. Vejamos se querem deveres iguais.
    Até concordo com algumas coisas que você argumentou sobre uma dessas páginas, embora a muitas das suas idéias são totalmente extrema de ignorâncias, ao criticar sem ao menos saber das ideologias de muitos dessas páginas ai.

    Att
    Vitor

    ResponderExcluir
  16. Engraçado, os machões que se opõem ao texto nem mostram a cara.
    E são tão fortes, determinados, completos que, se não existir uma mulher para lhe lavar o prato, morrem de fome. Se não existir uma mulher pra lhe limpar a bunda, morrem de infecção generalizada. E, por fim, se não existir uma mulher babaca pra lhes ficar bajulando e lhes reafirmando que são machões, choram feito bebezinhos birrentinhos e acreditam que ficar xingando mulher com palavras ofensivas vai mudar a conduta dela. Mulheres são serem que não tem a necessidade de reafirmar nada seus merdinhas metidos a valentões. MULHER GOSTA DE HOMEM NÃO DE MACHO.
    Gustavo, parabéns pelo texto e pelas respostas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso me lembra um episódio do chaves em que o Quico briga com a Chiquinha (não lembro bem o motivo),mas nisso a chiquinha sai gritando: "Você vai ver Quico! Eu vou falar pro meu pai que você me bateu, me chutou, me mordeu, me tacou uma pedrada e depois me deu um tiro de espingarda!" Quico: "Eu fiz tudo isso?", Chiquinha: "Sim!", Quico (olhando pra câmera):"Puxa! Que mal que eu sou!"

      E lendo tudo isso me lembrou essa piada!

      Como os homens foram terríveis no passado quando resolveram se juntar pra formar uma tribo e proteger sua prole. Como fomos capazes em criar uma sociedade onde as mulheres viviam mais do que os homens pois não precisavam ir para a guerra. Meu Deus, porque nos deixou viver através dos tempos para criarmos tudo que as mulheres tem até hoje? Somos terríveis!

      As feministas são mulheres covardes dignas de piedade! E nos homens não devemos odiá-las. São como a Chiquinha. Garotas birrentas e imaturas. Somos melhores que isso! Somos homens!

      PS: passagem copiado de um membro da REAL.

      Excluir
    2. Inicialmente, digo que pega muito mal não saber a diferença entre mal e mau. Vocês têm o direito de idolatrar Stallone, mas não precisam se limitar ao nível de atividade mental do personagem Rocky. Já que se fala em tribos, é preciso assinalar que existiram organizações sociais matriarcais e em algumas sociedades existem regras matrilineares até hoje. Basta nos lembrarmos da célebre sentença "todo filho de mãe judia é judeu".
      Indo adiante, só posso tachar de primitivo o argumento de que os homens, por terem exercido durante milênios uma espécie de monopólio da violência estatal, devem comandar indefinidamente as sociedades, a não ser que se proclame um primado da força sobre a razão, à moda de Mussolini.
      O feminismo não é birra; é uma luta organizada pelos direitos das mulheres; direitos não apenas formais, contratuais, mas concretos. Em suma, igualdade no exercício de direitos reais. Tendo em vista o fato de que as mulheres brasileiras hoje estudam mais, em média, mas continuam recebendo bem menos, também em média, em postos de trabalho que preveem qualificação igual, o movimento feminista é mais atual do que nunca.
      A Real é um patético clube do Bolinha, com direito a "doutrinadores" sem cérebro.

      Excluir
    3. Pense o que quiser, professor Pasquale.
      Eu apenas copiei o texto, do modo que estava no site da Real. E sim, há o movimento feminista que você descreve, que merece todo meu respeito e minha deferência. Concordo até com seus argumento, em relação aos direitos postulados, e à efetivação daqueles já consagrados, tanto na Constituição, quanto em leis e tratados.
      Mas você há de convir que existe um movimento até mais radical que a turma da REAL, cheio de mulheres feias, mal-amadas, composto de gente da estirpe daquelas que enfiaram crucifixo na bunda, durante a visita do papa, que nada acrescenta ao verdadeiro movimento feminista.
      A estas, meu desprezo do Stallone, com o cruzado de direta do Rock balboa!

      Excluir
    4. Também considero um total despropósito, e por pelo menos uma dúzia de razões, alguém enfiar um crucifixo na bunda. Mas é inteiramente sem sentido alegar uma conexão inevitável entre feminismo e um punhado de pessoas que se exaltam e tomam atitudes amalucadas. É o mesmo que postar no Youtube um vídeo que mostra um torcedor do Vasco espancando com porrete um atleticano desacordado e colocar abaixo a legenda "Ser vascaíno é isto". Como finalmente admitiu que a reivindicação de direitos por parte das mulheres tem legitimidade, concedo-lhe uma trégua. Só não consigo evitar mais um conselho de Pasquale: -Não escreva nomes próprios, como Balboa, com letra minúscula, meu rapaz!!!

      Excluir
    5. E quando foi que eu considerei ilegítima a reivindicação das mulheres? O que venho dizendo é que os fins não justificam determinados meios.
      Obrigado, de novo, Prof. Pasqualle. É que comento no intervalo do trabalho. Não tenho tempo pra ficar fazendo correção, re visão e edição de textos.

      Excluir
    6. Note que você já disse anteriormente que considera legítimo um determinado tipo de feminismo. Assim, fica parecendo que implora por atenção.

      Excluir
    7. Não. Apesar de você achar que tem o dom de saber o que os outros querem, não se trata de buscar atenção. Mas de rebater a seguinte assertiva:

      "Como finalmente admitiu que a reivindicação de direitos por parte das mulheres tem legitimidade, concedo-lhe uma trégua."

      Daí, eu questionar quando eu havia considerado ilegítima..., pois ficou parecendo que eu negava, negava e negava, para, ao fim, admitir...

      Excluir
    8. Como já ficou claro, pelas minhas palavras e pelas suas, que você não negava, a repetição da mesma sentença continua dando a impressão de que se trata de busca por atenção. É interpretação simples, não adivinhação.

      Excluir
    9. Esses textos de um real precisam de uma boa correção de português, parece que não era só as aulas de histórias que essa turma cabulava.

      Excluir
  17. Gustavo, mais uma vez, parabéns pela resposta!
    Alex, sinto muito em lhe informar que os homens que formaram tribos e protegeram suas proles eram HOMENS e não MACHÕES. Que, aliás, quando chegavam com a caça, sua mulher acabara de chegar do campo onde ela plantava e colhia. Um casal que sustentava filhos e seus pais idosos. Pena que a sociedade está virando a piadinha do Chaves, falta de respeito com mulheres, idosos, os mais pobres são chamados de genitália, os homens de verdade que defendem mulheres e filhos são chamados de covardes e por aí vai... É o que ensina a televisão aos desprovidos de raciocínio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado por prestigiar, Cláudia, e volte sempre!

      Excluir
    2. Cláudia, não sinta nada. Ainda mais por mim. E você tá equivocada. Naquela época, o homem precisa ser MACHÃO, acima de qualquer nível que você conheça, ou até mesmo imagina. Ou era Machão, ou tava fadado a perder seus genes na longa Marcha da História. Essa bucólica cena que você descreveu talvez realmente tenha acontecido em outro período, mas não no per[iodo inicial de formação tribal a que se refere o texto da turma da REAL.

      Excluir
    3. Nas sociedades tribais só existiam machões... Certamente, então, Moisés proibiu o troca-troca já prevendo o que aconteceria três mil anos depois!

      Excluir
    4. Na época de Moisés a sociedade já tava organizada. o Período que o autor da Real sugere foi bem no início da formação das sociedades tribais. Moisés já surgiu pra salvar os hebreus do cativeiro egípcio. A sociedade egípcia já dispunha de um avançado estado de sociedade. Náo misture as coisas.

      Excluir
    5. Então você faz análises "históricas" a partir do que o criador de um Clube do Bolinha sugere... Já que se refere, talvez, aos tempos em que os homens andavam em pequenos bandos, pense no seguinte: não havia teólogos, sacerdotes e muito menos filósofos moralistas para dizer o que as pessoas deveriam ou não fazer com seus pênis, vaginas, bocas e ânus. Logo, o limite imposto ao tesão de alguém passava exclusivamente pela recusa do alheio, se o alheio tivesse, ou conseguisse reunir, a força física necessária para negar; se vocês chamam de machão um homem capaz de suportar uma vida material infinitamente mais áspera do que a contemporânea, sem dúvida os "pré-históricos" seriam todos machões, embora seja cômico estender uma categoria do século XX às comunidades "pré-tribais". Por outro lado, sem os freios ideológicos criados pela "civilização", as práticas homossexuais poderiam ser bastante corriqueiras, o que também não resultaria na extinção do DNA dos envolvidos . Quantas pessoas públicas conhecemos capazes de se relacionar prazerosamente tanto com homens tanto com mulheres?

      Excluir