terça-feira, 7 de janeiro de 2014

Os separatistas: mais uma tribo de direitistas limítrofes





O separatismo, no Brasil, é uma atividade que carece de legitimidade perante a lei.  A Constituição de 1988, logo em seu artigo 1º, define a República como uma "união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal; pelo artigo 34º, fica estabelecido que a manutenção da "integridade nacional" constitui motivo para a intervenção da União nos Estados ou no Distrito Federal.  O Código Militar, no artigo 142º, tipifica como crime a tentativa de "desmembrar, por meio de movimento armado ou tumultos planejados, o território nacional".  As penas podem variar de quinze a trinta anos de reclusão para os líderes e de dez a vinte anos para os demais participantes.  
Não obstante a inviabilidade deste tipo de projeto, seja pela falta de meios que possam arrancá-lo de um plano puramente retórico, seja pela inexistência de nacionalidades alternativas no território brasileiro, algumas organizações separatistas conseguem arregimentar milhares de adeptos.  Os discutíveis méritos deste feito vão, mais uma vez, para a espécie de direita que até mesmo certos liberais se veem obrigados a chamar de tacanha.
Escolho novamente o Facebook como um privilegiado ponto de observação do  processo mencionado.  Além de ser, na atualidade, a rede social de maior alcance no país, constitui por excelência um território no qual os autointitulados (com orgulho) politicamente incorretos vomitam seus preconceitos com fúria, quase sempre entre ataques devastadores à língua portuguesa.  Ali encontro dois grupos que, apesar de uma aparente rivalidade, apresentam consideráveis coincidências nas ideias: 

O Sul é o meu país- Curitiba

https://www.facebook.com/groups/456591564430925/´

Nova Europa

https://www.facebook.com/novaeuropa09?fref=ts


Não há como negar o caráter francamente conservador destas comunidades.  O administrador da Nova Europa alimenta um discurso que deliciaria a "bancada da bala" do Congresso Nacional, sugerindo em diversas postagens que o caminho para a redução da criminalidade é a posse de armas por todos os cidadãos.  
   
 
 
 
Ele flerta em aberto (julgando-se protegido pelo anonimato, é claro) com o autoritarismo de  estilo fascista, ao lançar mão de argumento dos mais apelativos para insinuar que o povo não deve ser investido de poder decisório. 
 
 



Não me espanto, desta maneira, ao assinalar logo abaixo a defesa de uma tese cara aos liberais do século XIX (!), a de que é necessário cassar os direitos políticos das pessoas desprovidas de recursos econômicos.





Celso Deucher, "responsável" pela comunidade de Curitiba, recorre sem pudor ao patrocínio das entidades representativas da burguesia regional para difundir o separatismo.






Seu discípulo Junior Francisco se escandaliza com o presumido domínio do Brasil por uma "corja socialista", contra a qual prega a formação de um partido defensor dos "interesses sulistas".

 
 
Um dos mecanismos empregados para atrair seguidores para estas causas espúrias, talvez o principal, é a repetição massiva, sob várias versões, do lugar comum segundo o qual  populações "culturalmente superiores" (senão racialmente) precisam se libertar do fardo de sustentar os "inferiores" preguiçosos, amorais, sem ânimo para o trabalho.  Assim, o Sr. Nova Europa compartilha uma tosca montagem em que os três estados do Sul aparecem como os grandes provedores do Brasil inteiro.   






  
 



Dirceu Junior, outro dos separatistas curitibanos, acredita que os cariocas parasitam o Sul, desfrutando da enorme vantagem de abocanhar recursos para a manutenção de presídios. 
 
 
 
 
Seu colega Daniel Lundgren nos revela que o Rio Grande do Sul foi invadido por senegaleses, vistos como indesejáveis  por não saberem fazer nada. Resta a pergunta: o Canadá aceita como imigrantes brasileiros inteligentes que, na sua própria língua, escrevem coisas como "eles manda de volta"?
 
 
 
 
Ainda no mesmo grupo, um  tal Jean faz uso de um spam para defender a eliminação de todos os programas sociais.
 
 
 
 
Finalizo esta sequência de bizarrices e imbecilidades expondo uma das facetas mais caricatas do separatismo virtual.  Eles tentam acreditar que realmente criarão um novo país. 
 
 
 
 

 
       Definitivamente, uma das maiores mazelas do Brasil contemporâneo é a vitalidade da dita direita hidrófoba, que aqui se caracteriza, como em outras partes do planeta, por uma rejeição à cultura acadêmica.  Nada mais compreensível: migalhas de qualquer teoria fundada na razão são o suficiente para desconstruir, conforme o caso, seu machismo, seu racismo, seu bairrismo, sua crença em elites audazes destinadas a comandar eternamente as sociedades.  Desejo com fervor que esta visão de mundo tombe das falésias de Torres, ou no ponto mais fundo das Cataratas do Iguaçu!
 

82 comentários:

  1. Como diz Norberto Bobbio: por detrás de todo inimigo da democracia existe um elitismo fascista

    ResponderExcluir
  2. O Movimento "Nova Europa" nada tem a ver com o "MOVIMENTO O SUL É MEU PAÍS"! Celso Deucher é presidente "deste" movimento e não "Nova Europa"! Pesquise melhor antes de sair postando equivocadamente!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. ??? Leia o que eu realmente escrevi: Celso Deucher, "responsável" pela comunidade de Curitiba. A comunidade de Curitiba, obviamente, é O sul é meu país-Curitiba. Logo de entrada, registrei que os dois grupos não se bicavam. Rapaz, você nem conseguiu criar seu novo país e já precisa de um curso de português para estrangeiros!!!

      Excluir
    2. Não sei se este perfil NOVA EUROPA tem a ver ou não com a "O sul é meu país". O que eu sei pelas postagens é que ele é um baita de um idiota arrogante que provavelmente nunca saiu da região dele e trata de forma estereotipada os demais estados

      Excluir
    3. O mundo é meu país e cada ser vivo, um compatriota. Sem pátria, sem patrão, sem capital, sem capitão!

      Excluir
    4. Os dois grupos e reunem, e então ninguém se conhece, não têm nada entre eles?? Que hilário!

      Excluir
  3. Hahahah, o que que o sul do Brasil têm que seja capaz de se sustentar sozinho? A produção deles não passa de gado, um pouco de tecnologia. Só lembrando que o estado do paraná era só uma comarca campestre de são paulo, se eles querem se separar, pois que separem-se prefiro não conviver com fascistas, principalmente esses xenófobos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não se deve generalizar. Trata-se de uma minoria reduzida que faz um barulho desproporcional.

      Excluir
    2. Olha, eu não sou separatista, mas tenho muito orgulho do meu estado e como maragato que sou, defendo a criação de uma confederação de estados menos centralizada. Nasci e cresci no RGS, e conheço muito bem a terra e o povo. Portanto posso dizer sem ser suspeito:

      Minoria? HAHAHAHAHAHAHAHAHA

      Excluir
    3. Que ria, mas pelo menos mostre quantos deputados federais, e eventualmente senadores, o separatismo consegue eleger.

      Excluir
    4. Os Três estados sulistas estão entre os estados que mais contribuem com a Republica, e são os que menos recebem recursos do governo, Isso de certa forma já um prova que podemos nos sustentar, não queremos ser os melhores queremos ser livres !!!!!!!!!!

      Excluir
    5. SÓ PRA CONSTAR OOO CIDADÃO ARTUR AÍ EM CIMA A GENTE AQUI DO SUL JA TA CANSADO DE SUSTENTAR VOCÊS BANDO DE VAGABUNDOS QUE SÓ QUEREM VIDA BOA... AQUI É OUTRO NÍVEL NÃO TEM ESSA BANDIDAGEM QUE TEM AÍ, A CULTURA É TOTALMENTE OUTRA A GENTE NÃO PARA DE TRABALHAR UMA SEMANA NAQUELA PORCARIA DE CARNAVAL SEM FALAR NO RESTO...

      Excluir
    6. Eis um discurso dos mais primários: "Enquanto nós trabalhamos, "eles" ficam na rede"! Já se deu conta, gênio anônimo, de quantas pessoas de outras regiões dizem exatamente o mesmo? Junta-se também aos que ainda não conseguiram explicar como "o Sul carrega o resto"...

      Excluir
    7. O anônimo das 16:13 demonstra bem qual é o "seu nível". Principalmente o baixo nível de escolaridade. Também ficamos, por certo, inteiramente convencidos de que no Sul não há Carnaval, feriados estaduais e municipais, quadrilhas armadas e preguiçosos. Que acidente teria colado a região no desastre continental chamado Brasil?

      Excluir
    8. Ao Luciano
      Qualquer comunidade que possua terras aráveis pode, em tese, se "sustentar". Resta saber em que patamar o Sul se sustentaria pagando direitos de alfândega ao petróleo do Rio, aos manufaturados paulistas e aos artigos tropicais de outros estados, além da maioria dos recursos minerais que o novo país forçosamente consumiria. Isto sem entrarmos no mérito da criação, do zero, de uma burocracia federal.

      Excluir
    9. sr Artur...


      Participação do PIB Estadual



      O Rio Grande do Sul é atualmente a quarta economia do Brasil pelo tamanho do Produto Interno Bruto - PIB, chegando a R$ 296,3 bilhões¹. O Estado participa com 6,7% do PIB nacional, superado apenas pelos estados de São Paulo (33,1%), Rio de Janeiro (10,8%) e Minas Gerais (9,3%)². No que se refere ao PIB per capita, o Rio Grande do Sul também se mantém em uma posição privilegiada, com um valor de 27.514 reais1, o que o coloca bem acima da média nacional que é de 19.766 reais2.

      A economia gaúcha possui uma associação com os mercados nacional e internacional superior a média brasileira. Desta forma, a participação da economia gaúcha tem oscilado conforme a evolução da economia nacional e também de acordo com a dinâmica das exportações.

      Embora a estrutura setorial do VAB do Rio Grande do Sul em 2010, confirme a forte participação do Setor de Serviços no Estado, com o crescimento ocorrido durante as duas últimas décadas, pode-se dizer que a economia gaúcha é impulsionada por dois setores hegemônicos: a agropecuária e a indústria de transformação.

      O setor agropecuário gaúcho apresentou, de acordo com os dados do ano de 2010, uma participação de 8,7% da estrutura do VAB com forte associação com o setor agroindustrial. De acordo com estudos existentes³, se somadas as atividades agroindustriais, esta participação chega a 30% da estrutura econômica, além de ser o setor econômico mais desconcentrado no território. Deve-se ressaltar que o setor agropecuário tem sido fortemente impactado pelas estiagens que, em grande medida, explicam os maus resultados de algumas safras e impactam negativamente no PIB, como no caso dos anos de 2004 e 2005.

      O setor industrial também possui grande relevância na economia gaúcha, participando com 29,21% do VAB. Destaca-se a importância da Indústria de Transformação, que participa com de 21,28% do VAB do Estadual, com destaque para setores como mecânica e produtos alimentares.

      ¹ Dados preliminares FEE para 2012
      ² IBGE/FEE 2010
      ³ SEPLAG - Estudo de Desenvolvimento Regional e Logística do RS - Rumos 2015

      Excluir
  4. Caro Gustavo,
    Suas ponderações merecem total repúdio por parte de cidadãos que pugnam pela democracia. És tão reacionário que chegas a citar a CF88 e o Código Militar como meio de impor medo a quem pensa diferente de você. Penso que temos aqui mais um filhotinho da ditadura tentando se passar por libertário. A medida que fui lendo sua "gonorreia ideológica" (como diz o Celso Deucher) neste artigo, foi me passando pela cabeça os escritos de Adolf Hitler, quando este, a exemplo de Stalin e outros monstros que a humanidade construiu, tentavam tomar o poder. Enganar, usurpar, iludir, roubar, entre outras coisas sempre foi prática de gente que pensa como você. E você não é mesmo diferente, conforme se vê nestas suas linhas cheias de ódio, discriminação e rancor contra o povo do Sul. Mas fique tranquilo, aqui no Sul e em grande parte do mundo, bandidos assim, não ficam muito tempo escamoteados. Logo a mascara cai e a democracia trata de expurgar gente assim.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quantos disparates em tão poucas linhas! Eu nunca me declarei libertário, ao menos no sentido político que a palavra possui hoje, e o que penso da defunta ditadura está expresso em vários artigos. Devo também assinalar o uso absurdo do termo "reacionário", sobretudo quando o "crítico" se liga a um movimento tão claramente direitista. Parece, com sinal trocado, é claro, alguns jovens que xingam de fascista todo e qualquer cidadão que expresse uma opinião à direita. Sobre o "meu hitlerismo", prefiro não fazer suposições que depreciarão a sua saúde mental. Mais espantosa ainda é a sua alusão ao "meu ódio" contra o "povo do Sul", entidade que nem é mencionada no texto! Creio que você bebeu bem, no mínimo, antes de expelir estas loucuras. E não foi chimarrão!!!

      Excluir
  5. Tu, autor, por acaso leu os documentos oficiais do movimento? Sabe seus reais motivos? Digo, do Movimento "O Sul é o Meu País". Porque esse Nova Europa é simplesmente uma página no facebook, não um movimento devidamente registrado.

    Se tu não sabes, temos direito de autodeterminação segundo a Carta de Autodeterminação dos povos, da ONU, da qual o Brasil é signatário. Sobre o artigo 1o da CF, se ele realmente fosse útil, o Brasil pertenceria a Portugal até hoje, pois ele existia também na constituição lusitana. Mas disso tu não falas, né? Além do quê, a independência pode ser declarada de forma unilateral, assim como acontecerá com a Catalunha esse ano.

    A Luso-América só é um país único porque essa "unidade" foi mantida à força. Caso contrário, seríamos vários países, seguindo a tendência natural, como a América Espanhola.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para que valesse o princípio da autodeterminação, seria necessário que vocês provassem que existe, do Paraná para o sul, um povo diferenciado do brasileiro. Quantos dos habitantes da região foram socializados como "sulistas" e não como brasileiros? Será que chegam a 1%? A comparação com a Catalunha carece de sentido. Os catalães faziam parte de um reino autônomo, cuja união com Castela foi diversas vezes contestada pelas armas, falam uma língua muito diferente do espanhol e têm uma tradição identitária que, pelos últimos resultados eleitorais, parece majoritária. O paralelo com o Brasil Reino Unido é pior ainda. Os estados do Sul são colônias de Brasília? Não serve nem como piada.

      Excluir
    2. Quanto à "unidade mantida à força", isto não indica, antes ao contrário, que houvesse "nacionalidades oprimidas". Caso a Sabinada fosse bem sucedida, provavelmente a Bahia se separaria do Império. O mesmo vale para o Maranhão, Piauí, Pará e Rio Grande do Sul, em outros momentos. Todos estes estados, ex-províncias, são nações subjugadas?

      Excluir
  6. Olha a besteira que vc falou:
    "Rapaz, você nem conseguiu criar seu novo país e já precisa de um curso de português para estrangeiros!!!"

    Cara vc é apenas um XENÓFOBO tentando se passar por alguém de esquerda. vai te tratar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sou "xenófobo" contra quem? Temos um "comentarista" que acredita que já criou o novo país! Sem revanchismo, penso que me saio melhor na avaliação psiquiátrica do que você.

      Excluir
  7. Fique tranquilo, se o Sul se separar, teremos a mesma briga esquerda x direita que há em qualquer lugar. Não esqueça que o RS tem um governo do PT, portanto não generalize.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma observação bem pertinente, e eu acrescentaria que além dos petistas esses conservadores iludidos ainda teriam que administrar os muitos políticos fisiológicos da região. Seria ressaca na certa, e daquelas difíceis de passar.

      Excluir
  8. Esquerdopatia carga máxima nesse blog.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Indigência cerebral máxima da parte de quem acessou o blog só para repetir um clichê infantil.

      Excluir
  9. Gustavo Moreira, que bizarro.

    Sou separatista por motivação cultural. Acredito que o povo do Sul é diferente culturalmente do restante do país. O que tu menciona neste post não representa a ideologia do movimento separatista. Levianamente, separaste só o que lhe favoreceu para escrever as asneiras que quis.

    O pior tipo de post é aquele escrito por quem não sabe, não conhece e não procurou se informar sobre o que está falando.

    Aconselho-te ler mais, entrevistar mais e falar menos de assuntos que não domina.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Os argumentos são muito fracos: se nuances culturais fossem motivo para separatismo, a Suíça sequer teria sido fundada. Nenhum dos comentaristas que tentaram rechaçar o meu artigo mostrou, nem superficialmente, onde está a presumida incompatibilidade cultural do Sul com os demais estados. O centro da crítica também perde o foco: eu realmente não poderia criticar a "ideologia" do movimento sem ter acessado seu programa, seu regimento, suas proclamações. Mas não é equivocado, muito pelo contrário, fazer deduções a partir do que seus adeptos manifestam espontaneamente. Quanto a "asneiras", devo aconselhá-lo a se inteirar do sentido apropriado do termo "ideologia", de maneira a não torná-lo sinônimo de uma mera carta de intenções, ou coisa ainda mais vaga.

      Excluir
  10. Meu caro Gustavo, você deveria se informar mais a respeito dos meios legais que possibilitam sim a separação. E quando você insinua que o Movimento O Sul É O Meu País é discriminatório com outras raças, você deveria primeiro olhar para nossa cara e ver que nosso movimento é feito sem nenhum tipo de distinção da qual nos acusa. Não falo pelo tal movimento Nova Europa, do qual não tenho nenhum conhecimento a não ser das idéias toscas que você mesmo mencionou. O Sul É O Meu País é um movimento sério e pautado em direitos legais e pertencentes ao nosso povo que nesta região habita. Se você acha que o movimento é errado, está no seu direito, se acha que o modo como o Brasil está sendo governado está lhe atendendo a contento, imagino que não olhe muito além da janela de sua casa e de seu caminho até o trabalho. Se acha que o governo brasileiro não é conduzido por uma corja socialista, então acho que está na hora de prestar um pouco mais de atenção no que estão fazendo estes senhores tão ilustres. Se acha que o movimento não é digno porque não temos deputados e senadores, então mostrou que acredita que neste país só consegue sucesso aqueles que são ligados a políticos e assim adquirem direitos através de "jeitinhos". Realmente não elegemos muitos políticos.... pois nos dias de hoje não existem muitos que nos deem motivos para isto. Se acha que somos separatistas porque não gostamos do resto do país. Então pergunte a nossos amigos o que eles acham disso. Movimento São Paulo Independente https://www.facebook.com/MSPIreal?fref=ts Movimento Nordeste Independente https://www.facebook.com/groups/451456651592915/?fref=ts. Bom agora já temos além do Sul o Nordeste e também uma parte do Sudeste querendo independência. Parece que não somos tão minoria assim, pelo menos não é o que dizem as pesquisas feitas por estes movimentos com a população em geral. Acho que você deveria abrir mão dos favores que está buscando com políticos corruptos em troca de denegrir a imagem de movimentos sérios por uma causa melhor, afinal a vida é curta para esse tipo de coisa.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vejo, em primeiro lugar, uma severa distorção. Eu disse, no plano genérico, e não sobre uma comunidade em particular, que a alegação de pertencimento a uma cultura pretensamente superior (eventualmente a uma raça) era um recurso de atração para movimentos separatistas, o que é inegável, e poderíamos buscar numerosos exemplos. Não afirmei que é o único recurso, muito menos que separatistas são necessariamente racistas, e sequer insinuei que o "seu" grupo em particular incorre em racismo. As "ideias toscas" a que você se refere não foram inventadas por mim, mas colhidas dentro dos dois grupos que citei na matéria. Ao invés de apenas criar um rótulo depreciativo, seria interessante tentar provar o contrário. Sobre o uso do separatismo como remédio contra governos ruins, um dos problemas que poderíamos apontar é a provável balcanização do mundo inteiro. Levada ao plano micro, a proposta talvez resultasse na criação de uns quinhentos novos municípios por ano, apenas no Brasil. Note que, em um comentário tão longo, você é outro que sequer insinua o sentimento de pertencer a uma nacionalidade diferente da brasileira.

      Excluir
    2. Eu também não falei que a "dignidade" de um movimento depende da quantidade de parlamentares que consegue eleger. Porém, o fato de não vermos a correspondente representação parlamentar legitima uma forte suspeita de insignificância numérica; se o separatismo fosse uma causa com elevado índice de apoio na população, elegeria no mínimo alguns deputados federais sem necessidade de associação com os grandes partidos. A propósito, como se mostrou tão franco, uso da mesma moeda para dizer que muito duvido de que não votará, neste ano, em alguma das legendas conservadoras mais conhecidas para se opor à suposta "corja socialista". Caso o faça, pelo menos não adote o discurso do "mal menor", ou o do nariz tapado, o que seria por demais hipócrita.

      Excluir
    3. Perdoe-me agora o excesso de franqueza: transformar o fato de existirem movimentos separatistas em São Paulo e no Nordeste em um sentimento generalizado da população é o cúmulo do ingenuidade, ou do deslumbramento. Pior do que isto é invocar a autoridade de "pesquisas" apresentadas pelos próprios interessados. Seguindo a sua linha de pensamento, não conseguiríamos explicar o porquê da manutenção do Brasil como república. Todos os dias, podemos ver pelo menos uma enquete em que a volta da monarquia surge como uma quase unanimidade. Quanto à minha aliança com a "corja", o que não passa de uma calúnia idiota, prefiro responder apenas que seguir gurus desconectados da realidade provoca efeitos talvez piores.

      Excluir
  11. Faço parte do movimento O Sul é meu país, e esclareço o seguinte: Não somos contra aos outros estados brasileiros, somos contra a exploração desigual, para se ter uma ideia, de 2011 a 2013 o governo federal abocanhou mais de R$ 280 bilhões dos 3 estados do sul e só devolveu 70, ou seja, ficou com mais de R$ 200 bilhões, acham isso correto? só queremos ser livres, livres de Brasília, livres das tributações desiguais, livres dessa constituição que é uma vergonha, das leis que favorecem a bandidagem e só queremos q o nosso dinheiro fique aqui, pq é aqui que moramos, nos sustentamos, onde trabalhamos, estudamos e criamos nossos filhos, ou pelo menos q sejamos estados independentes, com nossas próprias leis e q o nosso PIB fique aqui, para investir onde ele foi gerado e para contribuir com a união que seja enviado no máximo 15% dele.
    Obs: Não sei se conseguir ser bem claro, mas estou a disposição para tirar qualquer dúvida, podem perguntar a vontade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suponhamos que eu aceite os seus números sem discussão. Que tal fazer outras contas? Quanto os estados sulistas precisariam desembolsar a mais, se fossem obrigados a comprar todo o petróleo que consomem, e a maioria dos artigos tropicais, do "país ao norte"? Quanto pagariam se os produtos da indústria paulista cruzassem o trópico como importados? Até no campo econômico, a proposta separatista é contraproducente.
      Sobre as leis que você julga tão imperfeitas, e muitas vezes realmente o são, os deputados e senadores sulistas foram excluídos de sua elaboração? No que estes parlamentares seriam tão melhores do que os do restante do Brasil? Seriam eles clones de Bolsonaro, dispostos a tudo negar à "bandidagem"?
      Encurtando o assunto, digo que você foi bem claro: não há, ao menos da sua parte, qualquer sentimento nacional diferenciado, no máximo insatisfação pelo não cumprimento de uma agenda que se parece com a da maioria dos movimentos de direita de todas as partes do país.

      Excluir
  12. Ser de esquerda na juventude é normal, mas, ser na fase adulta é mau-caratismo! Sim meu nobre, sou separatista por contestar a demagoga carta de 88 que vc citou com tanta eloquência, sou separatista por não aguento mais trabalhar seis meses para pagar imposto e descobrir que ele vai pro seu bolso, através de repasses partidários escusos, e finalmente sou separatista por não aguentar ver esta escória socialista tomando conta do país como um vírus.Eu acredito que graças ao seu trabalho, o da sua querida presidenta Dilma, o Brasil logo se quebrará em pequenos países, como uma taça de cristal que vai ao chão. Se informe melhor, e verás que São Paulo já tem seu próprio movimento separatista e ganha adeptos a cada dia . O proprio Aécio Neves reconhece que algo não for feito a respeito de um novo pacto federativo e reforma tributária o futuro do Brasil será a guerra civil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Repetir slogans reducionistas, frases feitas e coisas do gênero também é aceitável, até certo ponto, na juventude, mas na fase adulta comprova escassez de inteligência. Sou de esquerda, mas a associação entre esquerdismo e contestação ao separatismo é outra falácia. Não faltaria, na direita militarista e/ou fascista, quem propusesse acabar com um movimento separatista eventualmente viável à bala.
      Outra bobagem, para dizer o mínimo, é a insinuação de que recebo alguma coisa para atacar um clube de fanáticos como o que você vem defender. Não se ofenda muito, mas para enxergar algum socialismo no Brasil contemporâneo precisa-se de uma boa dose de delírio. Coisa ainda pior é incorporar como verdade absoluta o discurso de um candidato à presidência cuja única opção é se apresentar como alternativa à catástrofe. O que poderia dizer Aécio Neves? Que o governo Dilma vai bem, mas precisamos de correções pontuais?

      Excluir
  13. Viva O SUL LIVRE!!!!!

    TÍTULO I
    Dos Princípios Fundamentais

    Art. 1º A República Federativa do Brasil, formada pela união indissolúvel dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constitui-se em Estado Democrático de Direito e tem como fundamentos:

    I - a soberania;

    II - a cidadania;

    Art. 4º A República Federativa do Brasil rege-se nas suas relações internacionais pelos seguintes princípios:

    I - independência nacional;

    II - prevalência dos direitos humanos;

    III - autodeterminação dos povos;

    IV - não-intervenção;

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Como já apontei abaixo de outro comentário, a autodeterminação pressupõe a existência de uma outra nacionalidade, a qual ninguém, até agora, conseguiu definir, ou meramente esboçar, os contornos.

      Excluir
  14. Quantos deputados o Gustavo Moreira elegeu?...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nenhum, mas também não me propus a inventar um país! Mesmo com o seu anonimato, sou forçado a rir.

      Excluir
  15. Caro Gustavo,

    Moro em Porto Alegre no Rio Grande do Sul, não sou separatista e creio que o separatismo é contraproducente em todos os aspectos. Cito como exemplo as nações que se formaram com o fim da União Soviética, boa parte delas (excluindo Rússia, Cazaquistão e Uzbequistão) hoje em dia vivem a sombra da Rússia ou se juntaram a União Européia (no caso dos estados bálticos) para poderem sobreviver. Gostaria também de citar que concordo plenamente com você na questão de autodeterminação dos povos, cito o caso da Crimeia, de fato aquela região possui mais russos que ucranianos, o idioma russo também é mais presente naquela parte da Ucrânia o que poderia justificar tal principio de autodeterminação e que mesmo assim está a beira de se tornar um conflito armado.

    ResponderExcluir
  16. Moro no Rio Grande do Sul, mas de forma alguma defendo separatismo idiota e idiotizante que impera por aqui. Ainda mais que ele se baseia em uma posição xenófoba de superioridade cultural que mais parece obra da mente do velho Goebles.

    ResponderExcluir
  17. Comentário de: Jason

    Ao invés do movimento o SUL É MEU PAÍS (chamado também de República Pampa), proponho a criação de novos Estados, além do retorno de São Paulo pra Região Sul. Afinal, a representatividade do Sul no cenário político é bem desvantajoso e não há como negar esse fato. O Sul passaria a contar com 8 Estados e quem seriam os novos Estados?
    * Estado do Iguaçu-IG (capital: Cascavel ou Foz?; iguaçuês), recriado no mesmo local onde já abrigou o extinto Território Federal do mesmo nome, oeste paranaense e catarinense;
    * Estado do Novo Paraná-NP(Londrina; paranaista), norte paranaense + área com forma de tigela ao sul do Mato Grosso do Sul;
    * Estado de Farroupilhas-FA(Florianópolis; farroupista), sul catarinense a partir da Grande Florianópolis pra baixo. Joinville passa a ser a capital catarinense em substituição a Florianópolis;
    * Estado do Pampas-PP(Pelotas; pampista), sul gaúcho, enquanto toda a península à oeste da LAGOA DOS PATOS permanece com o Rio Grande do Sul. O nome pampeiro não deverá ser utilizado, devido o mesmo já ser empregado para designar o nome da população local desse bioma da qual fazem parte os 3 países {Brasil, Argentina e Uruguai};
    A questão do retorno de São Paulo, porém, a maior parte do território paulista {exceto: centro-oeste, noroeste e sudoeste e um pequeno trecho com forma de funil no VALE DO PARAÍBA DO SUL será doado ao novo mapa do Estado do Rio de Janeiro}, ficarão com a Região Sudeste, pois darão origem a 2 novos Estados que permanecerão com essa região: na margem direita do RIO TIETÊ, o Estado do Anhanguera-AH(Ribeirão Preto; bandeirante) e na margem esquerda o Estado do Tietê-TT(Bauru; tieteense).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que vantagem traria este novo "desenho", além de inchar artificialmente o Congresso com a representação de estados pouco populosos que entrariam (no mínimo) com oito deputados federais e três senadores? Nem entro na discussão da inviabilidade da proposta. Alguém consegue imaginar que o estado de São Paulo cederia de bom grado seus municípios do Vale ao Rio de Janeiro?

      Excluir
  18. Comentário de: Jason

    Se dissermos que São Paulo carrega os problemas do país nas costas e o Rio é quem recebe as homenagens, aí sim! Só lembram de São Paulo quando é pra "quebrar galho", é só pra isso que São Paulo serve, porque as homenagens mesmo que é bom, vão todas para o Rio. Então São Paulo é ou não injustiçada, hem!? Se for vê bem, São Paulo teria motivos mais do que suficientes pra querer se separar do Brasil, no entanto, aqui é um estado acolhedor, inclusive aqui abriga gente aí do Sul. Quer vê só um exemplo disso que acabei de mencionar?
    As beldades hollywoodianas, quando vêm ao Brasil divulgarem os seus filmes, seus trabalhos, ONGs, etc., menosprezam São Paulo, "cuspindo no prato que comem" - esquecendo-se de que São Paulo tem o maior nº de salas de cinema do país e que somos os maiores responsáveis pelas vendas de bilheterias dos seus filmes! Agora eu só quero é vê, se a qualquer momento, resolvermos boicotar os filmes americanos, isto é, a hora que o vulcão paulista se enfurecer de verdade, qual o lucro que eles, as beldades hollywoodianas vão ter! E assim procede a Rede Globo, os governantes e por aí vão longe com essa ingratidão em relação a São Paulo. Não vamos muito longe, recentemente o Acre acabou de nos enviar um montão de haitianos pra cá, agora vê se alguém de qualquer parte desse país lembra do Rio no caso de "quebrar galho", hem!
    O Sul, reclama de barriga cheia. Agora dizer que a Região Sul vem sofrendo um enorme desfalque há anos, no quesito representatividade no cenário nacional, aí sim! E, principalmente pós a perda de São Paulo (que sempre pertenceu a Região Sul), pra Região Sudeste, durante a década de 1950, nesse mesmo período foi desfeito também o temporário e extinto Território Federal do Iguaçu {oeste paranaense + oeste catarinense}, que talvez quem sabe hoje se não tivesse sido desfeito, não estaria representando ainda mais a Região Sul, ah!?
    O Brasil nasceu no Nordeste, mas especificamente em Porto Seguro-Bahia. Foi a região brasileira que mais devastada ecologicamente pelos portugueses que aqui chegaram, primeiro por causa do ciclo do pau-brasil, mais adiante pra dá espaço ao cultivo da cana-de-açúcar (esse tipo de monocultura, desgasta bastante o solo e leva-se muitos anos para se recuperá-lo). E como se não bastasse o comprometimento do seu ecossistema, o mais afetado do país sobretudo durante o ciclo canavieiro, a sede de Salvador é transferida para o Rio de Janeiro, acirrou ainda mais a situação sócio-econômica de subsistência do nordeste de uma tal maneira irreparável como o conhecemos hoje! Portanto, o Nordeste não é lugar de gente preguiçosa e burra não! A questão ali está mais vinculada a um fator histórico! Claro, além da incompetência do poder público que nunca se preocuparam realmente com os diversos problemas existentes e também dos "caciques eleitorais" - os quais manipulam e fazem negociatas absurdas em troca do voto daquele povo quem vivem abaixo da linha de pobreza, oferecendo-lhes o BOLSA-MISÉRIA, etc. O pior! Os institutos de pesquisas (IBOPE, DATA FOLHA, etc.), com todo o respaldo das ORGANIZAÇÕES GLOBO e Cia. (FOLHA DE SÃO APULO, O ESTADÃO, REVISTA VEJA, REVISTA EXAME, REVISTA ISTO É, etc.). A RECORD por exemplo, na época que era aliada dos TUCANOS (PSDB), demonizavam tanto o PT quanto o Lula, agora que fazem parte da ase aliada do governo, já viraram a casaca... PT-PSDB, ambos colocaram o Brasil na UTI! Então esse movimento separatista O SUL É MEU PAÍS está seguindo na direção errada, somos um país com as nossas diferenças e tradições culturais, no entanto, somos um país misto, essa é a cara do nosso país!

    ResponderExcluir
  19. Sensacional esse pensamento.
    Sim, eu fui irônico.

    Reclamam de serem mais desenvolvidos e de sustentarem outros estados.
    Ótimo: usem esse recurso e criem iniciativas para ajudar a desenvolver as outras regiões do Brasil.

    Reclamam do governo federal, dos escândalos, da corrupção etc.
    Diagnóstico correto, tratamento ignorante.
    Se algo está errado, ajude a mudar. Tire quem está estragando e ajude a colocar alguém melhor no lugar.

    Se unam, sim! Mas pelo bem maior de TODO o Brasil.

    É uma atitude COVARDE largar estados mais frágeis e subdesenvolvidos na mão de corruptos e na mão do próprio subdesenvolvimento.

    Isso mesmo: esse movimento é covarde.
    Palmas aos que, por não saber ou conseguir melhorar, tiram o corpo fora e correm, tal como a criança birrenta que pega a bola e estraga o jogo, só porque havia algo que não gostou.

    Deixem de ser covardes e lutem pelo Brasil e pelos interesses de toda a nação (i.e. do povo, não do governo).

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então arregace suas mangas e comece!

      Dizer aos outros é fácil...

      Excluir
  20. Volta, Cisplatina! Tenemos caipirinha, a bebida nacional! Morde a bunda deles, Suárez!

    ResponderExcluir
  21. Engraçado né, o SUL tem sim uma cultura totalmente diferente, na verdade a cultura do SUL em sua maioria é a gaúcha, tanto no RS como no PR e SC também, não gostamos de samba, pagode e funk, não gostamos de calor e não gostamos de carnaval, nem o Paul Brasil é nativo daqui e sim a Araucária, entretanto, a mídia e o governo descreve o Brasileiro como o malandro carioca que vive na praia e tem samba no pé, a maioria das músicas que representam o Brasil são sambas e o SUL só é lembrado quando precisam dos nossos impostos.
    Sou a favor de que o Brasil se separe em 5 países, mas um livre comércio como na união européia, cada um com sua bandeira e suas leis, cada um se sentiria bem representado por sua cultura e saberia que o que produz ficará em sua região, não precisaríamos ser inimigos, sem contar que seria uma ótima oportunidade de criarmos constituições e códigos penais dignos e que deem segurança para a população.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poucas vezes vi tantos estereótipos tolos em tão pouco espaço. Que importância prática tem a distribuição geográfica do pau-brasil e da araucária (aliás, ambos intensamente devastados)? Partindo deste princípio, a Flórida não poderia conviver com o Alasca debaixo da mesma bandeira. Onde o governo "descreve o brasileiro como malandro"? O que puseram no seu chimarrão, ou na pinga?
      Seguindo a sua "lógica", um nordestino talvez reclamasse que Felipão foi trocado pelo Dunga no comando da seleção ("só escolhem gaúchos!!!) e que o forró e o frevo são subvalorizados nas propagandas sobre o país. Fico também sem entender uma coisa: no que a existência da União impede que se redija um "código penal digno"?

      Excluir
  22. Se vc acha o povo so Sul, ou melhor, os separatistas do Sul, e digo que sao a maioria... Fascistas ou seja la o que vc acha.... Pq se importa tanto??? Pq sem o Sul, a sua bolsa "sei la o que " nao vai ser tao farta?, nao sobrara dinheiro para promover diversas obras, ja iniciadas e nao acabadas pelo governo centralizado nas regioes mais pobres? Se esta é a justificativa, vc é mais um que usa de tudo que produzimos, ou, se nao produzimos nada, nao tem porque nao nos deixar "quebrar a cara" com nossa auto-determinacao. Se ligue. Nao é necessario sermos de cor diferente, com lingua diferente, para querermos administrar nossa propria casa. Ou vc deixa seus proprios parentes decidirem como vc vai usar seu salario (se é que vc tem um)???? Temos necessidades em nossa regiao como se tem em todo o Brasil... em todo o mundo... Nosso PIB nos mantem e sobra muito ainda pra melhorar.... e o que sobra pode ser investido em obras para quem precisa, mas ... vc deixaria de comprar pao pra sua casa pra dar pra outra pessoa? nao seja demagogo....

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Começo colocando em dúvida as suas premissas. Onde está a pretendida maioria separatista? Em pesquisas de opinião feitas dentro das próprias organizações separatistas? Os estados do Sul têm juntos 77 deputados e 9 senadores. Qual é a representatividade do separatismo entre eles? A princípio, eu apostaria que nenhuma.
      Em segundo lugar, se recebo o título de demagogo, por minha vez devo dizer que você se mostra um simplório, ao acreditar que alguém com o meu perfil pode viver de programa de renda mínima. Seu bairrismo também é ridículo: se eu bebo o suco da vinícola Aurora e como a geleia Ritter, você sem o petróleo do Rio de Janeiro andaria montado num pangaré, ou então dependeria de trens para ir a qualquer lugar.

      Excluir
    2. Quanto a "administrar a nossa (sua?) casa", pergunto: por acaso RS, PR e SC são governados por interventores pernambucanos e baianos? Os governos estaduais e municipais não têm seus próprios orçamentos e não podem definir suas próprias prioridades?
      Por outro lado, sem investimentos de um [grande] governo federal como o Sul teria Itaipu, para ficar em um único exemplo?

      Excluir
  23. "...A Constituição de 1988, logo em seu artigo 1º, define..."

    A Constituição "define" várias coisas, entre elas a mais utópica(e risível) de todas é a definição do Salário Mínimo...

    Num país inculto onde, seguramente, menos de 5% dos cidadãos já leu a Constituição alguma vez na vida, fica difícil debater quando até a Lei Maior é a mais frequentemente desrespeitada.



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O problema deste argumento é que ele pode ser utilizado para praticamente tudo: se menos de 5% da população leem alguma coisa, e dentro da sua lógica não podem discutir questões de natureza constitucional, estariam igualmente desqualificados para aprovar ou rejeitar algo tão sério quanto uma proposta separatista.

      Excluir
    2. Devo dizer ainda que a definição constitucional do salário mínimo, embora careça de aplicação, não é "risível". É uma meta a ser perseguida.

      Excluir
  24. Negócio e o seguinte meu chapa, "quando um não quer, dois não brigam": eu não quero mais fazer parte do Brasil e ponto final. quanto a constituição, oras, faz uma emenda no capricho, aprova e estamos conversados! foi um prazer, um grande abraço mas eu tô fora!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não querendo "fazer parte do Brasil" você pode simplesmente se naturalizar uruguaio ou paraguaio. Dá muito menos trabalho do que redigir e votar emendas constitucionais.

      Excluir
  25. Arrogante, desinformado e/ou desinformante. Você não conhece o movimento O Sul É O Meu País, não conhece o que este pleitea. Desconfio da idoneidade de alguém que critica os movimentos separatistas atuais, pois estes são, na grande maioria, constituídos por pessoas normais que cansaram de ter seus impostos roubados por uma elite amoral e cínica. Você deve ser muito jovem para defender uma opinião de forma tão ferrenha sobre um assunto que visivelmente desconhece. Ou é um hipócrita. Provavelmente é um estadista de esquerda. Mas, afinal, se é contra o separatismo, então é a favor de quê? Quer que paguemos nossos impostos para financiar seu socialismo falido? Então socialismo é eufemismo para escravidão. Você é do Sul? Não? Pois, então, se o Sul for criado, como pretendemos, isso não lhe diz respeito. Afinal, não estamos tentando prejudicar ninguém, mas apenas tentando fazer com que parem de nos prejudicar. Se você está incomodado tanto com nossa independência, talvez seja porque está ganhando algo com nossa servidão. Fascismo (que é aparetemente uma vertente do socialismo) é o que os governos centralistas de esquerda e de direita fazem: É a utilização do dinheiro do povo contra o povo. Se você é do Sul, então sinto muito por você apoiar aqueles que prejudicam seu próprio povo. É quase um alívio observar metidos elitistas, como os apoiadores desse blog, contra os separatistas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Comecemos: você é "desinformado" ou "hipócrita" ao insinuar que o separatismo acabará com o domínio da "elite amoral e cínica"? O que Jorge Bornhausen tem de melhor do que o finado ACM? Qual a diferença entre suportar um Álvaro Dias ou um Sérgio Cabral no poder? Quem tinha razão, quando Roberto Requião e Orestes Quercia se desmoralizavam reciprocamente na imprensa?
      Definitivamente, não sou "muito jovem": estou com 46 anos, sem problemas quanto a isto. Só lamento que você, de quem também não sei a idade, desconheça o significado do termo estadista. A não ser que veja em mim um futuro Mitterrand, ou Getúlio Vargas!!! A insistência em colocar o fascismo como "vertente socialista", por sua vez, revela que o irtonmarxismo, no seu caso, é agravado por influências olavéticas.

      Excluir
    2. Sobre autoritarismos (fascismo, para quem gosta de xingamento aleatório), a acusação cabe mais a você do que a mim. A pregação separatista é ilegal. Mesmo que fosse legal, legítima, e motivasse um plebiscito a respeito do tema, eu não reivindiquei o direito de tomar parte na hipotética consulta. Apenas me declarei contrário, assim como poderia ter me posicionado contra a mutilação genital feminina na Somália. Como um reles anônimo deseja cassar meu direito de manifestação pela escrita?
      Por fim (e já gasto muito tempo com objeções mais emocionais do que racionais), digo que a pecha de elitista cai bem melhor no movimento separatista. Afinal, poucas coisas demonstram mais arrogância, chegando às raias do supremacismo, do que a repetição de clichês do tipo "carregamos os outros nas costas com nosso trabalho".

      Excluir
  26. Olá Gustavo, sou gaúcho mas não me considero separatista, também não concordo com idéias de "direita" ou de "esquerda", pois particularmente acho que isso não exista mais. Tenho que assumir sim, que simpatizo com a proposta de fazer o sul um país, porém eu acredito que essa idéia poderia trazer grandes prejuízos, principalmente para o sul. Em todo caso gostaria de sua opinião e também de todos que lerem esta postagem sobre a possibilidade de o Brasil pelo menos fazer como os EUA, onde cada estado tem suas próprias leis. Seria isso possível? Os resultados seriam positivos? E em relação à economia, estes argumentos que os separatistas têm defendido, não teria como consertar isso, e fazer com que todo o dinheiro que o sul contribui para o governo, retorne de maneira mais justa? Não posso deixar de contestar o fato de chamar os separatistas de minoria, pelo menos aqui no RS. O problema é que o sentimento de separatismo, é alimentado por mágoas provocadas pela mídia brasileira, fazendo com que os gaúchos tenham o desejo de separar.
    A maioria das pessoas que eu conheço que defendem a separação do estado, têm como principal argumento o fato de o Brasil ser mostrado pelo samba, e blá blá blá... Porém poucos pensam nas questões econômicas... tudo bem, o Rio Grande do Sul pode ser auto-sustentável, mas não quer dizer que seria uma república próspera.
    Outra coisa, na boa... a mídia vai agradar a maior população! É óbvio que vai mostrar o samba, e que o axé, funk, sertanejo, irão pisar nas músicas tradicionais gauchescas e irão esmagar o rock gaúcho! Afinal, o que predomina é a quantidade... É obvio que é raro ver um ator gaúcho nas novelas globais, afinal, quem gosta do nosso sotaque?
    Imagino que nos EUA, a maioria dos estados sofram a mesma idéia de "injustiça midiática", pois a maioria das pessoas julgam este país pela Califórnia, NY e Flórida. Como lá fora julgam o Brasil por São Paulo, Rio, e as praias do nordeste. Sou um cara mente aberta, não gosto de me levar pela cabeça dos outros, nem de partidos. E se um dia eu achar cabível a idéia do separatismo, por que não?
    Mas por enquanto ninguém conseguiu me fazer mudar de idéia, nem mesmo meu irmão mais velho. Conto com respostas e opiniões do meu ponto de vista

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Natanael, desculpe-me pela demora em publicar, mas preferi fazê-lo apenas quando tivesse tempo para responder com atenção. Discordo, em primeiro lugar, da sua premissa de que não existem mais esquerda e direita. Evidentemente, as configurações de ambas mudaram bastante desde, digamos a época da minha adolescência, mas a mera observação do que foi a "nossa" última campanha eleitoral é suficiente para confirmar o quanto estes conceitos permanecem vigorosos.
      O seu questionamento sobre a possibilidade de "cada estado ter as próprias leis" ficou algo nebuloso. Afinal, todos os estados brasileiros possuem constituições, embora as diferenças, é verdade, não alcancem a mesma amplitude que se verifica nos EUA. Acredito que você tenha pensado em medidas específicas que talvez fossem mais populares no Sul do que em outras partes, mas, na falta de uma especificação, sinto-me sem elementos para ir adiante.

      Excluir
    2. Quanto ao tema da viabilidade econômica do Sul, pisamos em terreno ainda menos consistente. É certo que Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, separados da União (hipótese que repudio, como deixei claro) não se tornariam da noite para o dia um país de famélicos, mas provavelmente teriam sérios problemas financeiros com a importação do petróleo e outros recursos minerais, sem falar nas áreas em que a produção industrial da região se mostra insuficiente. Julgo que no mínimo, para se discutir separação, seria preciso que existisse um sentimento consolidado, entre as massas sulistas, de pertencer a uma nacionalidade bem definida e diversa da brasileira, coisa que nenhum dos textos separatistas que já li parece provar, antes muito ao contrário.
      Também considero estranhíssima a ideia de que a [discutível] imagem do Brasil como país de sambistas e de duplas caipiras magoe alguém ao ponto de provocar-lhe o desejo de criar um novo país. O presumido boicote contra sulistas nas artes, em minha opinião, não se sustenta: de Paulo José a Letícia Birkheuer, passando por Sheron Menezes e Lília Cabral, poderíamos traçar uma bela lista. Ainda devo voltar ao assunto. Abraços.

      Excluir
  27. A viabilidade da separação não é por quaisquer características culturais, mas por critérios políticos-administrativos primeiramente, afinal o que separa a Austria da Alemanha fora uma fronteira de caráter político? Bismarck não rechaçou todas as chances da Austria se anexar a Alemanha? Enfim, os fatores culturais devem ser a menor das preocupações...

    Agora se um povo de determinada região julga que seu governo central age de maneira inadequada, gastando seus recursos sem custo benefício nenhhum, porque seria ilegítimo a separação? Por conta de uma lei positivada numa constituição feita na reunião dos maiores canalhas do país em 1988? Por conta dos dogmas nacionalistas dos militares?

    Que os gaúchos tomem chimarrão e se enfurnem em seus centros culturais, como paulista quero apenas me separar da Versalhes do Cerrado. Quero apenas não ter que pagar 90% do que arrecadamos para sustentar a elite política vagabunda e suas redes de tráfico de influência.

    ResponderExcluir
  28. Poderíamos dizer, na atualidade, que a diferença mais visível entre Alemanha e Áustria é a maioria protestante (e não praticante) na primeira e a maioria católica (também não praticante) na segunda. Entretanto, se recuarmos, como você sugere, ao século XIX, veremos uma Confederação Germânica longe de possuir unidade linguística, étnica ou cultural. A Áustria não pretendia "se anexar à Alemanha", e sim ter hegemonia dentro da Confederação, da qual foi expulsa pela política de Bismarck, que planejava, a seu turno, impor a hegemonia prussiana.
    Mas voltemos ao Brasil. Não discordo da premissa de que muitos dos "maiores canalhas do país" assinaram a Constituição de 1988, mas devo lembrá-lo de que São Paulo possuía, como hoje, a maior representação naquele Congresso. Que razões levam-no a crer que uma "pátria paulista" emancipada não seria governada por uma elite política vagabunda, quando achamos em seu retrospecto eleitoral figuras como Jânio, Quércia e Maluf, além de uma grande coleção de deputados "folclóricos"?

    ResponderExcluir
  29. Sou monarquista, mas lhe dou uma salva de palmas pelo post. Viva o Brasil!

    ResponderExcluir
  30. Viva Duque de Caxias!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O que não faz uma letra maiúscula...rsrs

      Excluir
  31. Eu acho que o principal empecilho para a separação tanto do sul como qualquer outro estado tanto do brasil é financeiro, ou o Brasil iria continuar a comprar produtos do sul em primeiro momento dificilmente, isto sem contar que os produtos do sul teriam que concorrer com os produtos do resto do mundo.
    São Paulo por exemplo é um grande estado mas depende do grande mercado que é o Brasil, mais de 200 milhões de consumidores, ou alguém acha que o comercio, a industria e a agricultura da região sul darão o seu apoio, dificilmente né!

    ResponderExcluir
  32. Sou paranaense, mas reconheço que a separado seria um tiro no pé, se os 3 estados separarem do resto do Brasil será um país com uma economia parecida com alguns países afrianos ou do leste europeu, totalmente fraca, um novo país, na america latina? Que piada

    ResponderExcluir
  33. Sei que o post é antigo, e que dificilmente o dono irá responder, mas o texto foi muito bom! Sou conservador, e hoje estou em muitos grupos dessa dita "direita", e faço apenas uma correção quanto as ideologias preferidas dos separatistas: temos sim alguns poucos conservadores, mas grande maioria dos separatistas se identificam como liberais e libertários. Enfim, não sou republicano, sou monarquista, creio eu que uma monarquia parlamentarista seria o melhor para o Brasil, vide que a época mais tranquila -- de certa forma -- foi o segundo reinado de D. Pedro II.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Penso que já "respondi", em muitas postagens relacionadas à monarquia. Basta uma breve excursão pelo blog.

      Excluir
  34. Apesar de se referir aos separatistas do sul, vou compartilhar exaustivamente. Hoje me deparei com a notícia de que um grupo quer separar São Paulo do resto do Brasil; vão até marcar um plebiscito com 100 mil pessoas para testar o efeito. Espero que sejam surrados.

    ResponderExcluir
  35. O autor foi pontual e certeiro na afirmação que o movimento O Sul É Meu País é conservador. Os próprios idealizadores do grupelho são céticos quanto ao sucesso de uma eventual separação; por isso mesmo contam com uma carta na manga: apesar de paradoxal, testemunhei, através de comunidades e paginas no Facebook, que muitos separatistas apoiam a volta da monarquia, como condição e/ou expressão "menos" vergonhosa para se manterem como cidadãos brasileiros! O comentarista Willian está errado em dissociar a imagem reacionária dos separatistas.

    ResponderExcluir
  36. Esses movimentos separatistas me fazem lembrar do plebiscito de 1993. Antes dele ocorrer, houve um debate em uma TV carioca, e ao final do programa ocorreu uma votação: o que é melhor para o Brasil - República ou Monarquia? Os monarquistas ligaram em peso e após a "vitória" comemoraram como se tivessem restaurado o Brasil Império. Semanas mais tarde, 90% do eleitorado brasileiro votou pela República.

    ResponderExcluir
  37. O "melhor" argumento de um separatista é a falácia. A mais repetida é que, supostamente, um país com menores dimensões territoriais consegue se administrar melhor. Se fosse assim, a Somália era pra ser um sucesso e o Canadá uma catástrofe social. Os defensores do separatismo, geralmente, são descendentes de alemães e membros da chamada pequena burguesia. É uma minoria recheada de vícios e preconceitos. Até hoje não entendo o motivo das autoridades não intervirem nesses grupos, pois, conforme as próprias normas militares, é crime tentar desmembrar o território nacional.

    ResponderExcluir
  38. Até um tempo atrás o PT era a maior força política daqui do RGS. Continua sendo, na minha opinião, apesar de ter perdido um pouco de força. Não me surpreenderia se até mesmo na direita nacionalista houvesse quem ressuscitasse o nome de Caxias para enterrar os separatistas.

    ResponderExcluir
  39. Segundo levantamentos, a região sul "abriga" mais de 100 mil simpatizantes neonazistas; creio que mais de 95%, destes 100 mil neonazistas, apoiam a ideia de separatismo.

    ResponderExcluir
  40. Parabéns pelo post! Infelizmente este assunto está cada vez mais em pauta.O que me entristece é ver os comentários dos separatistas.Como eu já imaginava,se trata de um movimento bastante conservador,e com motivações questionáveis.Gosto muito do Sul,tanto que sou casada com um gaúcho e em nossas viagens frequentes para a região,passando de carro pelos três estados,se hospedando em variadas cidades não vejo toda essa diferença cultural alegada pelos separatistas não.Além do mais,o que mais tem entre o elenco das grandes emissoras são atrizes e atores,apresentadores gaúchos.Acredito que caso a separação ocorra,nao será bom para ninguém,exceto para os novos políticos que irão se fartar com o dinheiro do povo do sul.

    ResponderExcluir